ADVOGADO E MAQUINISTA ou MAQUINISTA E ADVOGADO?


Diego Fernando Ramos da Silva concluiu o curso de direito em dezembro de 2016, sendo aprovado no Exame XIX da OAB, em julho do mesmo ano de sua aprovação e nosso entrevistado concilia as profissões de advogado e maquinista da CPTM em São Paulo.

Dr. Diego escolheu o Direito justamente por ser um ramo que possibilita trabalhar em diversas áreas e conciliar atividades diferentes. Iniciou o curso de Direito em 2008, porém, teve algumas dificuldades financeiras e teve de interromper o curso, retornando do zero em 2012, quando já estava com sua vida financeira em ordem.

Como nosso entrevistado também é maquinista, indaguei os motivos desta profissão, sendo então dito que “sempre foi um sonho de criança, uma oportunidade de ter uma profissão que não gera uma rotina, nenhuma viagem é igual a outra. Sem contar que me possibilitou pagar meus estudos além de também poder trabalhar com pessoas, algo que adoro.” Diego é maquinista desde abril de 2010.

Em sua família não há advogados e tampouco maquinistas, sendo o primeiro nestas áreas. A profissão de maquinista veio primeiro que a de advogado e foi graças a esta profissão que conseguiu concluir seus estudos e se tornar então um advogado.

Como maquinista, Diego, conduz os trens entre as Estações Brás/ Calmon Viana na Cidade de São Paulo, “levamos o Trem para lavar, para oficina, realizamos manobra de trens em pátios e desvios. Também fazemos piloto em veículos de manutenção quando realizam reparos no sistema de energia ou na via”. No Direito, sua área preferida é a Criminal.

Indaguei Diego se ele consegue conciliar as duas profissões sendo então respondido que “trabalho pela manhã da 8hs às 12hs nos meus processos e a tarde das 13hs às 22hs como maquinista”.

Quanto aos rendimentos, Diego diz que “como Maquinista rende mais, a empresa paga um bom salário, têm bons benefícios. Talvez, se estivesse apenas advogando poderia render algo equivalente ou até mais, porém trabalhar como maquinista para mim é algo que não tem preço. Então uso a advocacia para complementar os rendimentos”.

E Dr. Diego, acredite gosta mais de ser Maquinista, mas ressalta que em ambas ele faz o que gosta, lidar com pessoas, e a que dá menos dor de cabeça, Dr. Diego responde que “como maquinista, é bem difícil termos problemas com as pessoas, vez ou outra quando o trem quebra, mas nada fora do comum. Já como advogado a gente é procurado para resolver os problemas das pessoas, a cobrança individual é bem maior”.

Se nosso entrevistado tivesse de escolher uma profissão apenas, ele diz que escolheria maquinista, “primeiro por ser a realização de um sonho, segundo pela estabilidade”.

Como encerro sempre nossas entrevistas, pedi para o entrevistado deixar uma mensagem para os colegas advogados que também querem ter mais de uma profissão. “Na conjuntura social em que vivemos, é necessário se reinventar todos os dias, criando maneiras de termos uma segunda opção na manga, caso não tenhamos êxito numa determinada atividade”. E ainda conclui com uma mensagem aos estudantes de Direito, “muitas vezes olhamos mais para os obstáculos do que para os nossos sonhos, então, por mais difícil ou distante pareça estar, persevere. O Curso de Direito é bem extenso e cansativo, mas no fim, os frutos do seu esforço valerão a pena”.

309 visualizações

© 2 0 2 0   p o r   L u c a s   G i m e n e z